O avesso do prazer: infração, sexualidade e afeto na vida de meninas em conflito com a lei

Silvia Piedade de Moraes, José Roberto da Silva Brêtas

Resumo


Este artigo   mostra as relações entre ato infracional e  sexualidade de adolescentes do sexo feminino em cumprimento de medida socioeducativa.   De cunho qualitativo,  as narrativas das nove adolescentes com idades entre14 e 19 anos  se organizaram em três eixos -  conceito de sexualidade, viver a sexualidade e aprender sobre sexualidade. Encontrou-se um conceito amplo de sexualidade envolvendo afetividade, sexo biológico, prazer e com maior ênfase a relação sexual. Os comportamentos sexuais mostraram tais concepções reelaboradas e aprendidas no contexto, revelando a importância para elas de estar na “normalidade”, aprendida com os roteiros sexuais entre pares, instituição socioeducativa, escola, mulheres da família, parceiros, revistas e no dia a dia. A atividade sexual não está dissociada da intimidade, de vínculos duradouros e de afetividade, mesmo porque muitas adolescentes têm parceiros fixos de longa duração. A instituição de medida socioeducativa ganhou uma importância surpreendente no papel de educação em sexualidade, estando à frente da escola e da família, no entanto, os pares (amigos) mostraram maior influência na aprendizagem da sexualidade, porém, por onde também circulam informações incorretas e tabus. A sexualidade das adolescentes está representada por alicerces de vergonha, medo, desigualdades de gênero relativas ao prazer e a liberdade sexual, moralismo e uma visão negativa sobre a sexualidade feminina.   O fato de terem transgredido a lei não exerceu nenhuma forma maior de autonomia sobre a sexualidade rompendo com um imaginário equivocado sobre a relação.

 

Palavras-chave: 1. Adolescência;  2. Sexualidade; 3. Comportamento sexual; 4. Socioeducação.

 


Palavras-chave


Direitos Humanos; Direito e Sociedade

Texto completo:

PDF