A escola como agente facilitador da espontaneidade: como a socionomia pode contribuir na preservação do sujeito que inicia a sociabilização

Marcela Prata Lepsch

Resumo


Resumo: O presente trabalho tem como principal objetivo apresentar a prática dentro do ambiente escolar, o transformando em agente facilitador da espontaneidade, com utilização da socionomia como ferramenta na preservação do sujeito que inicia a sociabilização. O estudo é desenvolvido, mediante pesquisa bibliográfica e análise do texto teórico e conceitual, apresentando o diálogo entre Maria Montessori e Jacob Levy Moreno, em confrontação com a realidade prática e observações pessoais. Também, é objeto do trabalho a demonstração da aplicação prática do psicodrama no ambiente escolar. Por fim, os resultados evidenciaram que o uso deste método resgatou a espontaneidade dos alunos rompendo com os padrões de comportamento estereotipados que levam à automatização dos discentes em seu processo de aprendizagem.

Palavras-chave: Educação. Psicodrama. Processo ensino-aprendizagem.


Texto completo:

PDF